Toledo tem mais de 4.600 casos de dengue

Cidade

Toledo tem mais de 4.600 casos de dengue

Marcos Antonio, do BrOnline com informações de Assessoria –  A epidemia de dengue continua sendo um grande problema no município de Toledo. Em boletim divulgado nessa terça-feira, 19, pelo setor de Endemias, Toledo chegou a 4.940 casos notificados de dengue. São 4.546 casos autóctones (Contraídos no município), 62 casos importados de outras localidades, 323 casos descartados e 09 ainda aguardam resultado.

O município decretou situação de emergência em decorrência da dengue no dia 12 de março e desde então a tentativa foi para que os carros do fumacê, com o veneno capaz de deter o mosquito Aedes Aegypti começasse a passar no município. A aplicação do fumacê iniciou em Toledo no dia 02 de maio e deve seguir por um período de pelo menos 40 dias, podendo variar, dependendo das condições climáticas. Em alguns locais da cidade a aplicação do inseticida Cielo já está no 4º ciclo, de um total de cinco.

O diretor do setor de Endemias de Toledo, Selídio Schimitt disse que após o início da aplicação do fumacê os resultados têm sido positivos. “Houve uma melhora muito grande após o início da aplicação do fumacê. O principal indicativo disso é a diminuição dos atendimentos em decorrência da dengue no mês de maio. No entanto é preciso que a população mantenha todos os cuidados com o seu lixo, terreno e residência, para que os casos não voltem a subir”.

NÚMERO DE ATENDIMENTOS

O número de atendimentos em decorrência da dengue nas unidades de saúde de Toledo tem diminuído no mês de maio, em comparação com os meses de março e abril, quando a cidade teve o pico de atendimentos.

Segundo a Sig Saúde até o dia 19 de maio foram 529 atendimentos em decorrência da dengue em Toledo. No mês de março foram 2.395 atendimentos, o maior índice registrado em 2020. Em abril os números se mantiveram altos, com 2.045 atendimentos.

Ainda foram registrados no levantamento realizado pela Sig Saúde, 413 atendimentos em fevereiro, 57 no mês de janeiro, 05 em dezembro e outros 06 atendimentos no mês de novembro.

 

Selídio lembra que além do fumacê a fiscalização por parte dos agentes de endemias segue firme. “Os agentes de endemias continuam realizando a fiscalização todos os dias. As áreas mais afetadas estão mapeadas e recebem maior atenção nas visitas, principalmente em localidades, onde foram encontradas larvas ou alguma pessoa teve a constatação da doença”, diz.

Galeria de imagens

Fonte: Marcos Antonio - Com Assessorias

Últimas Notícias